Convocados à Copa da África

A convocação de Dunga, nem os Irmãos Grimm teriam tanto 'comprometimento'...

Hoje o Brasil inteiro acompanhou o ato prólogo do calvário 'verde amarelo' no Mundial da África. Uma comitiva de cartolas anunciou os 23 ‘gladiadores’ que vão à ‘batalha’ da Copa. Pouco depois apareceu nosso ‘comandante de guerra’ com um discurso balofo de abnegado patriota onde, visivelmente, desconhecia os fatos históricos que levantou sobre ditadura e escravidão, parecendo-me mais uma tentativa desesperada de justificar a pouca qualidade técnica dos jogadores que ele levará ao Mundial. 


Irritado como sempre, pose altiva e olhar malicioso, Dunga respondeu a um batalhão de questionamentos dos jornalistas boquiabertos presentes à entrevista coletiva, que representaram, até certo ponto, as expectativas frustradas da torcida brasileira. Decepção, está foi a sensação mais captada no twitter, em fóruns de discussão esportiva, em rodas de escritórios, no café da esquina e em balcões de fábricas.


Eu cresci ouvindo que futebol era alegria e prazer no esporte. Para jogar na Seleção tinha que ter talento, amor à camisa e, acima de tudo, viver boa fase futebolística. "Craque tem que jogar é Copa do Mundo!", diriam os sábios cronistas de antigamente. Com o treinador Dunga a coisa não é bem assim; talvez por ignorância ou por pura arrogância, sabe-se lá, ele preferiu não levar o povo para torcer junto lá na África. Desde 1994, época da Seleção campeã que utilizava o pragmático esquema tático de Parreira, o 'escrete canarinho' subjuga o futebol arte para privilegiar a competitividade e um tal de "comprometimento" – palavra da moda reinventada por Dunga. Fico aqui pensando com minhas figurinhas de álbum jaz inutilizadas pela desilusão: a dona Mariquinha, secretária do doutor Pafúncio, poderia muito bem ser selecionada para jogar na Copa;  ela nada entende de futebol, mas tem um comprometimento incrível com o trabalho...


Na entrevista coletiva de hoje à tarde, o técnico da Seleção que vai à Copa mês que vem ressaltou a importância deste ‘comprometimento’, refutou a arte dos ‘Meninos da Vila’ e não convocou a genialidade de Ronaldinho Gaúcho – ouviu “Zangado”, esqueceu-se de um gênio do futebol! – e ainda, demonstrando ser mesmo rancoroso, acusou a torto e a direito de  que estão fazendo lobby para levar este ou aquele jogador olvidado em sua escalação.


Adriano, presente em muitas escolhas de Dunga, na vez derradeira não foi chamado. O ‘imperador’ chorou ao saber da notícia. Foi um choque, de fato. O comandante, auxiliado por seu fiel escudeiro Jorginho, também sempre muito simpático, e suas ferraduras, digo, chuteiras, disse ter escolhido Grafite para o lugar do atacante rubro-negro. Poderia ter levado então Pato, do Milan, Fred, do Flu, ou Tardelli, do Galo, que são mais técnicos, ou até mesmo Ronaldo, que, embora acima do peso, tem muito mais qualidade que o selecionado para ser o reserva de Luis Fabiano. Mas não. Com licença da amiga senhora leitora, faço até trocadilho tolo dizendo que esta Seleção pode ter Grafite 'rabiscando' na Copa... Desculpe, que vergonha! É que se isto lhe parece muito cruel, apaixonado torcedor, é devido ao meu afetado nervosismo com este “Zangado” – ops! Digo, estou empiricamente zangado com o amável Dunga. 


Resta-nos agora torcer... No entanto, quem quiser torcer com algum prazer ao futebol terá de assistir aos jogos da Espanha, da Holanda, da Argentina... Da Argentina? Ah, não! Aí já é demais.


Lista dos 23 jogadores convocados por Dunga:


Goleiros: Júlio César (Inter de Milão), Gomes (Tottenham), Doni (Roma);


Defensores: Maicon (Inter de Milão), Daniel Alves (Barcelona), Michel Bastos (Lyon), Gilberto (Cruzeiro), Lúcio (Inter de Milão), Juan (Roma), Luisão (Benfica), Thiago Silva (AC Milan);


Meio-campistas: Felipe Melo (Juventus), Gilberto Silva (Panathinaikos), Ramires (Benfica), Elano (Galatasaray), Kaká (Real Madrid), Josué (Wolfsburgo), Julio Baptista (Roma), Kleberson (Flamengo);


Atacantes: Robinho (Santos), Luis Fabiano (Sevilha), Nilmar (Villarreal), Grafite (Wolfsburgo).


Perceba, senhor torcedor, não há nesta lista nada de Ganso, nada de Pato, nada de Galo... Meu finado tio da zona portuária diria: "Deu asno, na cabeça!



Por Ricardo Novais