A briga do Colégio Republicano

Ilustração: BlogMail.

Leopoldo é velho conhecido no colégio do bairro Republicano. Professor de língua portuguesa, ele é bem quisto pelos pais e mal visto pelos alunos. Há um conflito ali em vias de atrapalhar a boa educação do futuro. Tudo porque um tal de Renato, recém contratado para a turma da manhã, insiste em trocar o pronome você por simplesmente vc entre as suas aulas de gramática.

- Mas que absurdo! Isto é fonema subversivo! Onde já se viu, meu amigo? E um professor, hein! Um professor! esbraveja pelos corredores Leopoldo, fora de si, ao perceber que perde cada vez mais espaço para um docente mais moço e mais ágil do que ele.

Renato nunca deu muita bola para afetações, é atrevido e confiante como o quê. Olha com certo desdém para o colega, e os alunos acham muita graça na briga. Noutro dia, Ritinha, estudante de alguma série, estranhou:

- Que há entre esses dois? São inimigos?

- Ai, menina. Sim  explicou-lhe Cláudia, a professora de história.  Na verdade, eles são primos distantes. Mas agora o Renato chegou e quer tomar o lugar de Leopoldo, entendeu?

- Mas chegou... Ele veio de onde? Como?

- De alguma escola de outra República. Mais ou menos como o próprio pronome você. Antigamente era tratamento real, vossa mercê; depois foi suprimido para vosmecê, dado somente aos nobres da Corte; aí que veio o nosso conhecido você e ainda, com o advento das redes modernas, o simplíssimo vc. O medo de Leopoldo é que ele acabe remanejado para o colégio das palavras arcaicas ou pior, seja acabado como letra morta.

- Ah, Ritinha! gargalhou Jaime, o professor de matemática Mas é que enquanto o Renato é jovem e as alunas não desgrudam os olhos dele, o Leopoldo é velho ranzinza e sofre de reumatismo. Nada mais natural...

Natural ou não, o encanecido professor ainda tem o seu pronome nos dicionários da língua republicana e o pronome recém-chegado é quase um bruxo da linguagem consoante. Sintomático, e curioso. Educadores, teóricos e a dona-de-casa não falam de outra coisa. A ortografia do você e vc já confunde também os pais e os alunos. E para tu, leitor, quem vencerá esta briga?

Por Ricardo Novais