Uma visão

"A visão do mar". Foto de arquivo.

A saudade é a ponta de uma fita durex. Uma fita dando volta em si mesma; adesiva, aderente, grudenta. Perde-se a ponta da saudade para achá-la novamente adesiva, aderente, grudenta. É saudade, leitor. Uma lembrança que circula amassando a rotina, rasgando o papel do compromisso e tornando um pedaço de mensagem do passado em presente, um presente que não se sabe se retornará em futuro.

Como me diz a minha amiga leitora, que a tanto prezo pelo laço de ternura, a fita de durex é uma saudade que cola o amor, a amizade, a admiração, a ponta de uma visão do mar; e que coladas, ponta sobre ponta, emenda dizendo à alma onde se quer voltar. É verdade, amigo que me lê; não me tome por patife. Uma fita de durex é capaz de selar a lembrança de um pai, de uma paixão, de uma música, de uma morte cômica, de uma redação escolar da 7ª. série.

Ter saudade é dar um abraço no passado envolto em um rolo de fita durex adesivo, aderente e grudento. Contudo, nem toda a cola do mundo é capaz de grudar o riso infinito de uma tesoura cortante e gélida.

Por Ricardo Novais