Botafogo e Fluminense ou Atlético-GO e Ceará?

Findo a 25ª rodada do Brasileirão e a emoção, como ocorre em todos os anos, toma conta do campeonato. Alguns preferem assistir aos jogos da Premier Ligue, do Calcio Italiano, do Campeonato Espanhol ou, até mesmo, do pueril Campeonato Francês. Para estes torcedores amantes do futebol europeu, eu peço, gentilmente, para que não lêem este texto; continue a jogar o seu Playstation, e aperte o triângulo!

A “pipocagem” da rodada fica a cargo do Internacional de Porto Alegre; foi até Salvador, na Bahia, só para perder do Vitória e deixar escapar, por entre os fios do bigode, a liderança do Campeonato Brasileiro. Aliás, devo conter o ânimo e cumprimentar ao “Professor” Wagner Mancini (ex-Santos) que bateu o líder, na semana passada combaliu o Palmeiras, e nesta rodada derrotou o vice-líder; todo jogador de truco tem seus dias de bom jogo!

Já o Galo empacou, neste sábado, diante do Náutico graças a “covardia” de seu treinador que preferiu deixar o veloz, porém "descerebrado", atacante Éder Luis no banco de reservas; ainda sacou o, sonolento, Diego Tardelli quando deveria ter acredito nele até o fim; e viu, da área técnica, a sua jovem revelação, o jogador Renan Oliveira, perder um gol incrível - um espaço enorme, meu filho, faça o gol! - que levaria o Atlético mais à frente no Campeonato.

Mas curioso mesmo, e até surpreendente, é o “tropeço” do São Paulo no empate contra o Santo André, em Ribeirão Preto, com direito a uma pífia interpretação do Hino Nacional por um sertanejo paulista entoando uma viola caipira de doze cordas; ou seria de dez cordas? Isto é melhor perguntar ao Kleber Machado.

Agora esperemos o Palmeiras, na próxima quarta-feira, diante do Cruzeiro em Belo Horizonte, Minas Gerais, para sabermos os próximos passos dos líderes do Brasileirão. O confronto é duro!
Claro que não me esqueci do Goiás Esporte Clube, que também briga, diretamente, pelo título deste ano; parabéns Hélio dos Anjos! "Futebol é para homens, não tem que ter..." Brincadeira; é apenas para promover polêmica neste tedioso blog.

Os torcedores do Goiás devem compreender que para falar da gloriosa vitória, em pleno Estádio do Pacaembú, do time esmeraldino, eu devo, necessariamente, soltar uma grande gargalhada: Corinthians 1 x 4 Goiás! Chega a ser até humilhante... Assisti a este jogo com um amigo num boteco, claro!, infestado de um bando de loucos. Presenciei alguns deles criticando ao Ronaldo (fenômeno?); no entanto, julguei isto injusto. Primeiro que ele não é meia - o que há com esta escola de treinadores gaúchos que não apreciam um bom futebol? - e depois que ele me pareceu o jogador mais lúcido, ao lado do volante Elias, do time corintiano nesta jornada de vanglórias.

Mas chegou a hora mais triste desta crônica. Até agora falamos dos que lutam honradamente no campeonato, mas neste momento devemos olhar para os que padecem no inferno.

Rispidamente faz-se menção ao Clássico Glorioso, Santos x Bota-Fogo. Tanta história, dois times alvinegros, dois times que conhecem o mar, dois times medíocres em campo. O Botafogo ainda parece ser pior, esqueceu as lições de navegação e esforça-se para naufragar. Veremos!

Ai, eu sinto dores virem ao coração; já passou. Domingo, Porto Alegre-RS, 16h00min: Tragédia!!! A tragédia é tricolor. Gostaria de saber, apenas, se o patrocinador do Fluminense disponibilizará o seu plano de saúde às vítimas tricolores de enfarte que darão entrada no Hospital Miguel Couto.

Enquanto isto, na Série B, o Vasco arrasa no "Maraca"; também vêm o rubro-negro de Goiânia, o Atlético-GO, e o Vovô Ceará - e acreditem, o Ceará é do Estado de Alagoas (é a "Mão-de-Deus!") - para os lugares de Botafogo e Fluminense... Há preferência?


Por Ricardo Novais