Viagem Extraordinária


Local onde ocorreu o abalo sísmico no Oceano Atlântico, início de 2010.

A família Marie-Flores teve de deixar o Haiti. O forte abalo sísmico que atacou a cidade onde moravam, Porto Príncipe, destruiu sua casa, matou mãe, irmão, filho e dispersou o resto do sonho de felicidade que a desinformação da crença Vodu ainda não tinha aniquilado.

Desde o tempo do Papa Doc e seu terrível filho, parte de seus parentes católicos fugiram para a América do Sul onde o sincretismo religioso, se não tem tanta consideração, ao menos não era perseguido diretamente como em Porto Príncipe.

Os Marie-Flores resistiram a tantos desmandos e crueldades, mas o terremoto era coisa enviada por feiticeiro muito poderoso. Arrumaram as malas que não tinham, escreveram as palavras de saudade que chorariam e, antevendo o futuro, vieram para São Paulo. Mas a estadia foi curta, visto que o Brasil é país caro e difícil de reconstruir a vida.

Seguiram os amigos, foram morar no Chile. Justamente um dos países mais simpáticos e queridos entre sul-americanos – salvo talvez para os argentinos, mas por questões inerentes aos dois povos e, às vezes, alguma centelha do temperamento. Seja como for, desgraçadamente, apenas alguns dias em território chileno, outro terremoto ainda maior que o acontecido em sua pátria devastou de vez a família Marie-Flores. Mortos ao lado de toda gente da cidade que havia os acolhido, restou-lhes a esperança de alcançarem alguma paz.

O genial Júlio Verne, certa vez, fez magnífica “viagem ao centro da Terra”. Não consta que haja lá nenhum Vodu maligno ou zumbi vindo diretamente de algum filme de terror...

Abaixo revelador documentário, Viagem ao Centro da Terra, que foi produzido pelo Discovery Channel, em 2008:

Clique em pausar, na barra lateral, e desabilite a rádio Stay Rock.






Segunda parte do esplêndido documentário, Viagem ao Centro da Terra*, Discovery Channel:

Clique em pausar, na barra lateral, e desabilite a rádio Stay Rock.





Quem sabe um dia eu não entre (a pé) no túnel do Ibirapuera (desculpe aos amigos islandeses), supere meu marasmo e atravesse o centro da Terra, desbravando a energia das placas subterrâneas, perfurando crostas magnéticas, navegando num assombroso mar de metal líquido, alcançando o núcleo deste Planeta, conhecendo ainda homens pré-históricos, microscópicas bactérias mais estranhas, gigantescos fungos elegantes, de modo a enfrentar os "dinossauros" quais devam ser os reais causadores de catastróficos terremotos que vimos cá em cima, vindo, por fim, depois de tamanha experiência arriscada, a ser expelido novamente à superfície terrestre e também por algum vulcão da Sicília... Não! Apenas o fantástico (em muitos sentidos) escritor Júlio Verne tinha imaginação notável e fascinante ao ponto de poder realizar tão extraordinária aventura.

Não zombes de minha fantasia, leitor de espírito prático, pois como diria o próprio Verne: "o que um homem pôde imaginar, outro pode realizar".


Por Ricardo Novais

*Documentário: Viagem ao Centro da Terra; Discovery Channel; 2008.