Só um minutinho...

Expediente republicano e do bom gerúndio...

- Gabinete do prefeito, boa tarde!

- Alô, boa tarde! Eu poderia marcar uma reunião com o prefeito ou com alguém da secretaria social; é assunto importante...

- O prefeito está com a agenda lotada, ele foi a compromisso administrativo na zona norte da cidade, senhor. Sou secretária dele, em que posso estar o ajudando?

- Sim, sim, claro; pode me ajudar. Sabe o que é; meu nome é Policarpo, sou representante de uma grande empresa, na área de desenvolvimento sustentável... Bom, gostaríamos de marcar um horário com o...

- Só um minuto, por gentileza. ♪♫♪♫... "Hoje é festa lá no meu apê..." ♪♫♪♫...

- Secretaria do tempo e clima, boa tarde!

- Meu senhor, eu preciso falar é com o prefeito.

- Só um minuto.

- Gabinete do prefeito, boa tarde!

- Eu acabei de ligar e a senhora me passou para o ramal de meteorologia...

- Só um minutinho, vou estar transferindo. ♪♫♪♫... "Hoje é festa lá no meu apê..." ♪♫♪♫...

- Secretaria de metrologia, boa tarde!

- Impressionante!

- O que o senhor deseja?

- Quero falar com o prefeito, é importante!

- Ah, sim; só um minuto. Só mais um momento, por gentileza.

- Gabinete do prefeito, boa tarde!

- Vocês são incompetentes! Desculpe, mas a senhora é burra? Eu não quero conversar com o homem do clima nem com o de pesos e medidas, preciso falar com alguém do social!

- O senhor de novo? O que quer? Tem que estar sabendo o que se quer, tem que estar sendo mais específico; é secretaria de meteorologia, metrologia ou social?

- Para trabalhar em repartição pública não é necessário passar em concurso? Como pode ter alguém tão ignorante como a senhora trabalhando na prefeitura?

- O prefeito não está, e o senhor está me ofendendo.

- Não estou ofendendo nada! A senhora que fica me jogando de um lado ao outro como se eu fosse uma peteca...

- Está bem! Está bem, senhor cidadão. Só um minuto.

- Secretaria dos esportes, boa tarde!

- Eu quero falar com o prefeito, porra!

- Não, meu senhor; aqui é de esportes. Só um minuto que lhe passo para a secretaria da saúde, lá o senhor pede pra falar com uma sexóloga.

- Espere... Alô...

- Secretaria da saúde, boa tarde!

- Não tem nenhum gabinete que resolva meu problema?

- Tem sim, o senhor deve falar é no gabinete do prefeito. Vou passar lá, só um minuto.

- Gabinete do prefeito, boa tarde!

- Isto parece o inferno! Haja paciência! A senhora sempre maltrata deste jeito o cidadão? Vocês estão me jogando no buraco...

- Ah, por que não disse antes? Só um minutinho, vou estar transferindo no ramal. ♪♫♪♫... "Hoje é festa lá no meu apê..." ♪♫♪♫...

- Secretaria de obras, boa tarde!

- Desisto! Eu, meu senhor, só queria falar com o prefeito. O prefeito! O prefeito! Entendeu?

- Calma, calma, que não é aqui, não. Tem de marcar com a secretária dele, é uma mocinha bem simpática que irá resolver o problema do senhor; espera aí que vou passar para o ramal correto. Só um minuto.

- Não, aquela mulher não... Ela é maluca!

- Só um minutinho.

- Gabinete do prefeito, boa tarde!

- Ai, meu Deus!

- Só um minuto, senhor.

- Secretaria ecumênica, boa tarde!

- Por favor, o senhor pode me passar para a secretaria social?

- Claro. Só um minuto, por gentileza. Mais um minutinho. ♪♫♪♫... "Hoje é festa lá no meu apê..." ♪♫♪♫...

- Secretaria do desenvolvimento social, boa noite!

- Noite? São seis da tarde, meu senhor. É assim que tratam o povo? O contribuinte desta cidade é um desgraçado, só pode ser... Pois o senhor sabia que eu passei a tarde inteira sendo jogado de um ramal para o outro, ouvindo uma musiquinha insuportável que já até decorei a letra, indo de lado a outro, de gerúndio a gerúndio, de secretaria à secretaria, de secretária imbecil a secretário incompetente, apenas, meu amigo, para tentar apresentar a vocês um projeto que é...

- Só um minuto! Calma, senhor; fale com calma que eu não estou entendendo nada... Espere, que horas são? Mas, nossa! O senhor disse seis horas? O expediente do secretário terminou... O senhor poderia ligar amanhã?

- Mas é importante! O senhor não pode resolver nada?

- Não posso resolver nada; eu sou apenas o secretário do secretário, e ele já foi embora. E, se é coisa tão importante, o senhor deveria estar ligando antes, né?!

Irritadíssimo, doutor Policarpo bateu o telefone. Pobre homem, quase chorou de desespero. Atônito, ele colocou as mãos encobrindo o rosto e baixando a cabeça; ficou em estado de choque, incrédulo. Alguns minutos depois, ele resolveu que deveria ligar para a diretora geral de sua empresa:

- Dona Agatha, fracassei. Eu liguei na prefeitura, falei com muitos secretários... Parece que o prefeito não está muito interessado em receber nenhuma doação de recursos para a educação escolar do município e nem para os leitos de hospitais públicos...

Ricardo Novais